sexta-feira, março 30, 2007

Veneza ausente

Assisti ontem à estreia mundia do filme "Mémoires de Goldoni" de Maurizio Scaparro, no Teatro Nacional.
Passei todo o filme à espera de ver imagens de Veneza e depois de Paris. De Paris nem uma, de Veneza quase nada.
Cheguei a casa muitas horas depois, a conjecturar no egoísmo do realizador, ao ocultar as imagens da Veneza magnífica.
E agora acorreu-me as "Cidades Invisíveis" de Italo Calvino, um dos meus livros preferidos.
Não vos sei dizer se consegui ler este livro desde o princípio até ao fim, pois isso iria privar-me de ler pela 1ª vez no futuro algumas passagens e o livro todo. Alguns dos meus livros preferidos, não os li nunca até ao fim, como é o caso de "Vers Ispaham" de Pierre Loti e outros.
Sinto um desejo tão grande de escrever, ao ler esses livros, que sou obrigada a abandoná-los mais uma vez e a pegar num papel ou num computador portátil...
E então percebi a ideia, que continuo a achar egoísta, de não mostrar Veneza:
Quando Kublai Khan pergunta a Marco Polo, nas "Cidades Invisíveis", porque é que ele descreveu inúmeras cidades belíssimas sem nunca se referir a Veneza, Marco Polo responde-lhe que esteve sempre a falar de Veneza.

De facto, quando falamos duma cidade, estamos sempre de certa forma a falar de Veneza, que é o seu contrário.

Todas as cidades são feitas de terra. Todas as cidades ficam na terra.

O filme "Mémoires de Goldoni" de Maurizio Scaparro é afinal um filme sobre a beleza de Veneza.

4 comentários:

Rekoa Meton disse...

Vi o livro de que falaste numa feira do livro. É sobre o quê?

Nádia Jururu disse...

Falei dum filme baseado num livro, "Memórias de Goldoni", que é um grande dramaturgo italiano, um dos principais dramaturgos do mundo.
Não conheço o livro.
Tudo bem, Rekoa meton?

Rekoa Meton disse...

Não, estava a falar do livro "Cidades Invisíveis".
E tá tudo bem ;)

Nádia Jururu disse...

Esse livro é uma ficção, em que Marco Polo descreve ao imperador oriental, Kublai Khan, descendente do incrível Gengis Khan, todas as cidades por onde passou.
É um livro muito poético e muito moderno.
Vale a pena recolher informação sobre todas estas personagens.