sábado, abril 12, 2014

Boa Páscoa

Para celebrar a Páscoa, deixo aqui dois pensamentos místicos, um católico e outro Yogui, que prevêem e até promovem, a libertação da mente. E que se complementam, como se um continuasse o outro.

O primeiro, do Papa Francisco



O segundo, de um místico Yogui, Shri Shri Anandamurti“The person whose object of mind is limited, is in bondage. When the object of mind is unlimited, it (the mind) cannot be kept within limitations. Then there is no bondage, but liberation.” Shri Shri Anandamurti

Possível tradução: "A pessoa cujo objeto da mente é limitado, está amarrada. Quando o objeto da mente é ilimitado, ela (a mente) não pode ficar dentro de limites. Nesse caso não há prisão, mas sim libertação".

sexta-feira, março 21, 2014

Natália Correia a cantar



Neste dia da poesia de 2014, muitos partilham no Facebook os mais variados poemas de Natália Correia. Alguns tão difíceis de entender...

Tenho neste blogue, o seu poema que prefiro entre todos

Núpcias Químicas (AQUI)

No vídeo, ouvimos Natália a cantar, num tom de brincadeira, uma canção sobtre a Padeira de Aljubarrota. Havia outra sobre a Padeira que também cantava. e muitas açorianas, imitando o sotaque.
era uma pessoa muito engraçada, muito fora deste mundo.


quarta-feira, março 19, 2014

terça-feira, março 04, 2014

Filme de Animação Walt Dysney / Salvador Dali




Escondido nos Arquivos dos Estúdios Disney, estava um projeto de um filme de curta duração com a arte de Walt Disney e Salvador Dali. Em meados dos anos 40, esquematizaram o projeto baseado na arte arte de Dali. Como Dali não tinha dinheiro suficiente para continuar, só foram produzidos 17 segundos.

O sobrinho, Roy Edward Disney, encontrou esse projeto esquecido e realizou-o com a equipe de animação dos Estúdios Disney. — em Los Angeles.

sábado, março 01, 2014

"Gracias a la vida" para cantar: Violeta Parra, Mercedes Sosa e Joan Baez




(Nadinha continua a dar música neste blogue).  Para cantar, ver a letra. Duas interpretações diferentes.

Gracias a la vida,
que me ha dado tanto;
me dio dos luceros
que cuando los abro
perfecto distingo
lo negro del blanco,
y en el alto cielo
su fondo estrellado,
y en las multitudes
al hombre que yo amo.

Gracias a la vida,
que me ha dado tanto;
me ha dado el oído
que en todo su ancho
graba, noche y día,
grillos y canarios,
martillos, turbinas,
ladridos, chubascos.
y la voz tan tierna
de mi bienamado.

Gracias a la vida,
que me ha dado tanto;
me ha dado el sonido
y el abecedario.
Con él, las palabras
que pienso y declaro:
"madre", "amigo", "hermano",
y "luz", alumbrando
la ruta del alma
del que estoy amando.

Gracias a la vida,
que me ha dado tanto;
me ha dado la marcha
de mis pies cansados.
Con ellos anduve
ciudades y charcos,
playas y desiertos,
montañas y llanos,
y la casa tuya,
tu calle y tu patio.

Gracias a la vida,
que me ha dado tanto;
me dio el corazón,
que agita su marco
cuando miro el fruto
del cerebro humano,
cuando miro al bueno
tan lejos del malo,
cuando miro el fondo
te tus ojos claros.

Gracias a la vida,
que me ha dado tanto;
me ha dado la risa
y me ha dado el llanto.
Así yo distingo
dicha de quebranto,
los dos materiales
que forman mi canto;
y el canto de ustedes,
que es el mismo canto;
y el canto de todos,
que es mi propio canto.

Gracias a la vida,
que me ha dado tanto.


(É muito interessante ouvir as diferentes interpretações desta cantiga, a de Violeta Parra muito meiga, ainda que revolucionária, a de Mercedes Sosa um tanto lúcida, quase desencantada, a de Joan Baez, muito alegre e entusiástica.) 
A própria letra é belíssima.

quarta-feira, fevereiro 12, 2014

Música napolitana Bellissima: Addio a Lugano Bella




PARA CANTAR, LER A LETRA



Addio a Lugano

Addio, Lugano bella,
o dolce terra pia,
scacciati senza colpa
gli anarchici van via

e partono cantando
colla speranza in cor.

Ed è per voi sfruttati,
per voi lavoratori,
che siamo ammanettati
al par dei malfattori;

eppur la nostra idea
non è che idea d'amor.

Anonimi compagni,
amici che restate,
le verità sociali
da forti propagate:

è questa la vendetta
che noi vi domandiam.

Ma tu che ci discacci
con una vil menzogna,
repubblica borghese,
un dì ne avrai vergogna

ed oggi t'accusiamo
di fronte all'avvenir.

Banditi senza tregua,
andrem di terra in terra
a predicar la pace
ed a bandir la guerra:

la pace tra gli oppressi,
la guerra agli oppressor.

Elvezia, il tuo governo
schiavo d'altrui si rende,
di un popolo gagliardo
le tradizioni offende

e insulta la leggenda
del tuo Guglielmo Tell.

Addio, cari compagni,
amici luganesi,

addio, bianche di neve
montagne ticinesi,
i cavalieri erranti
son trascinati al nord.

(1895)

Pietro Gori

sexta-feira, janeiro 31, 2014

O Despertar do Buda

"O Grande Despertar tinha chegado. O ser de Gautama transformou-se e ele tornou-se Buda. O acontecimento teve repercursão cósmica. O ar da manhã ressoou com o júbilo de todas as criaturas da criação e a terra tremeu seis vezes de espanto. Dez mil galáxias tremeram de medo enquanto flores de lótus floresciam em todas as árvores, transformando todo o universo num "ramo de flores rodopiando pelos ares"."


Budismo Huston Smith. - Edição do Expresso