quarta-feira, maio 14, 2008

Só mais um nadinha de Imaginália

Imaginália XIII Talvez o regresso: côro


Nunca conseguiremos regressar completamente a lugar nenhum. Nem mesmo no espaço, nem a nenhum tempo: passado ou futuro.


in Imaginália, de Graciete Nobre, Lisboa: Luz das Letras, 2008

2 comentários:

Anônimo disse...

Nesse mesmo momento, a vida se torna mais intensa. E a poesia se apresenta não como promessa de alguma felicidade futura, mas como portadora da dádiva do presente.

Te beijo
Andarilha

Nádia Jururu disse...

Obrigada pelo seu comentário. Acho que entendeu muito bem o pouco (pouquíssimo) que leu.